Dor da Paixão
 
Começo minha inútil meditação com um verso terrível de T.S. Eliot. Ele está rezando. Ele sabe que somente Deus tem poder para lidar com a loucura da paixão. Ele reza assim: “… e livra-me da dor da paixão não satisfeita, e da dor muito maior da paixão satisfeita”. Todo mundo sabe que paixão não satisfeita dói. Mas poucos sabem que a paixão só existe se não for satisfeita. A paixão é um desejo de posse que, para existir, não pode se realizar. Como a fome: depois do almoço a fome acaba. Paixão é fome. Ela só floresce na ausência do objeto amado. Mais precisamente, ela vive da ausência do objeto amado. Não se trata de ausência física, o objeto amado distante, longe. A dor da ausência física tem o nome de saudade. Saudade tem cura. A saudade é curada quando o objeto volta. A dor da paixão é diferente. Não tem cura. A saudade do objeto amado, mesmo quando ele está presente, é o perfume característico da paixão.
 
 

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA Aos Apaixonados

 

 

Esse é o absurdo segredo da escuta: é preciso não escutar o que se diz para se poder ouvir o que ficou não-dito, a música. É na música que mora a verdade daquele que fala.

 

 

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA Se eu fosse você”

Assim é o Amor
 
Assim é o amor. A tristeza amorosa é o vazio desejando o pleno. Sócrates inventou um mito para explicar o amor. Disse que Eros nasceu do casamento entre a “Pobreza” e a “Plenitude”. O amor é um buraco na alma. Quem ama é pobre. Falta alguma coisa. Peça desencaixada do quebra-cabeça. O sentimento amoroso é a nostalgia pelo pedaço que me falta, “pedaço arrancado de mim”. Assim são o masculino e o feminino. O masculino é o pleno que ora pelo vazio que o abraçará. O feminino é o vazio que ora pelo pleno que nele se encaixará. Quando os amantes se abraçam e as peças se interpenetram, os corpos se encaixam, como no quebra-cabeça. Todo ato de amor é uma realização efêmera de uma unidade original perdida.
 
 

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA Se eu fosse você”

 

Fonte das Images: Curiosando , o Blog sensacional do meu amigão Rodrigo Piva

Por favor, aguarde enquanto preparamos sugestões de leitura para você...

Blogs com notícias similares:

Atualizado 8 horas atrás.

Por Wagner em Notícias locais desde 24/02/2014

http://bairrodopari.dihitt.com Bairro do Pari

Blog sobre noticias, acontecimentos e curiosidades do bairro do Pari - Brás e região.

Atualizado 43 minutos atrás.

Por Amigos em Segurança desde 15/04/2013

http://amigosdaguardacivil.dihitt.com AMIGOS DA GUARDA CIVIL

segurança pública municipal

Ranking 1669º

Atualizado 7 dias atrás.

Por Café em Educação desde 15/09/2013

http://cafecomsociologia2.dihitt.com Café com Sociologia

O Blog Café com Sociologia foi criado por Cristiano Bodart em 2009 como forma de guardar materiais usados por ele nas aulas de Sociologia no Ensino Médio. No início era um blog acessível apenas ao editor e seus alunos. A medida que a quantidade de material armazenado foi se ampliando o blog foi aberto para colegas de trabalho. Devido a boa receptividade do "Café com Sociologia" o autor acabou tornando-o público por acreditar que estaria ajudando outras pessoas, especialmente alunos e prof

Sua opinião:
comentou em 16/11/2009 19:20
Assim é o amor. A tristeza amorosa é o vazio desejando o pleno. Sócrates inventou um mito para explicar o amor. Disse que Eros nasceu do casamento entre a “Pobreza” e a “Plenitude”. O amor é um buraco na alma. Quem ama é pobre. Falta alguma coisa. Peça desencaixada do quebra-cabeça. O sentimento amoroso é a nostalgia pelo pedaço que me falta, “pedaço arrancado de mim”. Assim são o masculino e o feminino. O masculino é o pleno que ora pelo vazio que o abraçará. O feminino é o vazio que ora pelo pleno que nele se encaixará. Quando os amantes se abraçam e as peças se interpenetram, os corpos se encaixam, como no quebra-cabeça. Todo ato de amor é uma realização efêmera de uma unidade original perdida.