Norma Braga Venâncio

Norma Braga Venâncio

É doutora em literatura francesa pela UFRJ e mestranda em teologia filosófica pelo Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Desde 2005, escreve em seu blog (www.normabraga.blogspot.com) sobre cosmovisão cristã, teologia, arte e política. É casada com André Venâncio e reside atualmente em Fortaleza.



(Meu comentário)

Deparei-me com esse texto da doutora Norma e percebo que ela expressa a opinião de milhões de brasileiros que repudiam qualquer ditadura, mas reconhecem que os militares evitaram um mal maior evitando que o Brasil se torna-se uma ditadura comunista nos moldes de Cuba ou da triste Coréia do Norte, exemplos de fracasso social.

48 anos depois: notas sobre a ditadura militar

 
Hoje faz 48 anos que foi deflagrada a ditadura militar. E a polarização geral em torno do tema tem me desagradado profundamente.

Neste blog, e em meu livro a sair no final de abril pela editora Vida Nova - A mente de Cristo: conversão e cosmovisão cristã -, discuto a impossibilidade de enxergar nuances, típica do pensamento de esquerda. Ora, muitas vezes os próprios conservadores não se isentam desse mal.  


No Brasil, o espírito da cordialidade convive paradoxalmente com uma adesão festiva ou raivosa (ou ambos!) a extremos. Análises comedidas, não; endossos apaixonados a qualquer tema, não importa sua complexidade. A politização do pensamento, a que espero, contraculturalmente, aderir cada vez menos, pede que a humanidade se divida em dois partidos opostos sobre tudo, sempre.

Tendo dito isto, vamos ao que penso. A ditadura militar foi um mal menor? Sim. O país estava prestes a se tornar uma sucursal da antiga União Soviética.


Terroristas treinados agiram para implantar o comunismo no Brasil. Plantaram bombas, assaltaram bancos, mataram gente. Diante dessa situação, os militares usaram técnicas de guerra, com o apoio popular. Seria possível reagir de outra maneira? Creio que não, infelizmente.


Agora, devemos "comemorar" o acontecimento? Sim e não.

O golpe, que impediu o mal maior, sim. O regime, com todos os seus desmandos e excessos, certamente não.

Um mal menor deve ser encarado como o que é: um mal.

Sim, o totalitarismo de esquerda é o inferno na terra em grau elevado. Mas uma ditadura deixa marcas difíceis de serem curadas e esquecidas.

Por todos os que sofreram de verdade naquele contexto (não incluo nisto quem se exilou em Paris e hoje vive de indecorosas indenizações), prefiro não comemorar. 

O que fica mais patente, porém, é que aqueles jovenzinhos vociferantes - com seus mestres e tutores partidarizados - que se levantaram contra o evento sobre a ditadura no centro do Rio, desprezando e cuspindo nos militares que dali saíram, precisam urgentemente se despir da sua capa de falso moralismo, de inocência fingida, e compreender que, no mesmo instante em que condenam a ditadura, defendem e promovem um sistema maldito que, em nome do amorrrrrr, matou cem milhões de pessoas em todo o mundo.


Os militares cometeram erros, mas buscavam coibir terroristas, assassinos e assaltantes de bancos; os comunistas são muito mais democráticos em seus alvos e exterminam "classes" inteiras, levas e levas de pessoas, sem olhar a quem.


Vamos deixar de hipocrisia e acabar de uma vez por todas com esse mimimi em relação a 1964: esquerdista, o que você quis para o Brasil naquele tempo (e ainda quer hoje!) é pior, muito pior, do que qualquer coisa que os militares possam ter feito. Quantitativa e qualitativamente.

Termino assim este texto: com todo o respeito pela dor das vítimas involuntárias da ditadura e com a mais profunda compaixão por aqueles que de fato confundiram o comunismo com o sonho por um mundo melhor; mas muito pouco respeito, muito pouco mesmo, pelos novos totalitários, comunistas de ontem e de hoje, que acusam os militares ao mesmo tempo em que ainda exaltam, depois de toda aquela matança comprovada, os demônios Lênin, Stálin, Pol Pot, Mao e Fidel Castro.


Leia também:
Blogs com notícias similares:

Atualizado 1 hora atrás.

Por Blog em Política desde 22/02/2013

http://blogdomarioflavio.dihitt.com Blog do Mário Flávio

Blog do Mário Flávio tem o compromisso de trazer Politica de A a Z, noticiando os bastidores políticos da região diariamente.

Ranking 2077º

Atualizado 4 dias atrás.

Por Papo em Diversos desde 06/10/2010

http://papodepm.dihitt.com PAPO DE PM

canal de comunicação de assuntos diversos , principalmente assuntos relacionados a a segurança pública.

Ranking 1756º

Atualizado 3 horas atrás.

Por Antonio em Opinião e Notícias desde 31/10/2014

http://httpdissovocesabiablogspotcombr.dihitt.com Disso Você Sabia ?

Noticias que você não ouve ou vê na mídia. Até que ponto nos contaram é verdade?,

Sua opinião:
comentou em 26/05/2012 17:26
Há dois tipos de analfabetos no Brasil:
Os que vão à escola sem a menor noção do porque.
E os que não vão à escola de forma alguma.
Inclua-se aí os que julgam a sociedade de hoje totalmente imbecil e desinformada como a sociedade de 30 anos atrás.
Se um país com a riqueza que possui o o Brasil, fosse governado por um homem como Fidel Castro, certamente estaríamos em primeiro lugar no ranking dos países mais ricos e desenvolvidos do planeta, em potência econômica, militar e socialmente mais justa.
respondeu em 26/05/2012 20:40
Saiba Voce caro amigo, que con heço O Capital de Marx, li sobre mais valia e outras coisas mais. Quem faliu foi a URSS e sem a UE ou os EUA darem um só tiro. O modelo de economia planificada como a do socialismo faliram muitos países, a derrocada da URSS também empobreceu a Ilha de Fidel e fez a China se voltar para o famigerado capitalismo. Em Cuba todo mundo sabe ler que bom, porém porque tanta gente fugiu de lá??, é que saber ler numa ilha de 11 milhões de habitantes é mais fácil, porém em Cuba voce não pode ler qualquer coisa, só o que o governo te autoriza. A ditadura comunista é um mal maior sim; se não fosse assim o Leste Europeu não o haveria de abandonar o tal regime. O Leste Europeu deu uma "banana" ao comunismo, bem feito !!
respondeu em 30/05/2012 10:25
Concordo. A minha experiência profissional ensinou-me que o mais difícil é mudar mentalidades. Algumas pessoas mesmo com exemplos na frente dos olhos não querem ver a realidade dos factos. Cuba tem o melhor serviço de saúde do mundo, reconhecido mesmo pela rainha de Inglaterra. Tem um razoável nível de vida, apesar do selvagem bloqueio do imperialismo norte-americano. Contudo, existem pessoas que preferem acreditar em dogmas em profecias e a viverem felizes na sua ignorância. Passearam os livros mas nunca estudaram.
comentou em 11/07/2012 08:33
Olha, sei que esse post é antigo e tudo mais... mas como historiador em formação não pude ficar calado. Me considero sim um esquerdista, porém não sou comunista nem defendo veementemente tal ideologia, acredito em uma maior interferência do Estado, somente no âmbito em que este se apresenta de forma democrática e estimula a participação de todos no processo político.
Antes de mais nada gostaria que a Dra. Norma procurasse se informar melhor sobre os atuais projetos da atual esquerda, antes de criticar aquilo que aparenta não conhecer... Em segundo lugar era uma boa vocês se atualizarem sobre os debates historiográficos contemporâneos acerca do Golpe Militar, pois existe quase que um consenso acerca da impossibilidade de se existir uma ditadura comunista no Brasil. Boa parte dos historiadores hoje em dia concordam que este medo vermelho foi algo muito mais fruto da propaganda feita pelo governo militar do que uma real iminência de um golpe comunista. O próprio PCB antes e durante o golpe declarou que não apoiava ou concordava com ações violentas ou com uma ascensão ao poder por meio de armas, defendendo uma militância pacífica. Na realidade boa parte dos movimentos de luta armada surgiram em meio à Ditadura, por militantes que acreditavam se encontrar em uma situação de guerra devido à truculência e abusos feitos pelo Governo Militar. (minha opinião sob esta ótica é que a Ditadura foi A CAUSA dos movimentos armados de esquerda, e não o contrário)
Quanto à questão do apoio popular aos militares, admito, com certo desgosto, que ainda há um debate acerca disto (procure alguns textos recentes de Demian Melo, no qual ele apresenta sua discordância quanto à visão de Daniel Aarão Reis), no entanto, tendo a achar que um apoio que é conquistado por vias anti-democráticas (tortura, censura e manipulação midiática) apresenta um certo problema...
Outra coisa, tenho amigos meus os quais os parentes morreram nas mãos da Ditadura sem haver provas de filiação a qualquer grupo ou ideologia contra os militares. O pai de uma das minhas professoras do ensino médio era um sindicalista, previamente ao golpe, e foi assassinado só por defender o direito de organização dos trabalhadores em sindicatos (ele não possuia nenhuma filiação ideológica ao marxismo... mal era alfabetizado). Um professor da UFRJ foi arrastado para fora de sala e torturado só por fazer menções às teorias marxistas de análise histórica (materialismo dialético). Existem muitos casos assim... Se você respeita a dor das vítimas deste período, defenda o direito de acesso à informação. Boa parte dos esquerdistas foram severamente punidos por sua ação, porém os militares permanecem no anonimato. Se o Golpe foi algo tão justificável assim porque se encobrem utilizando da censura ainda hoje? Não estou falando em retirar a anistia (apesar de pessoalmente defender isto) mas sim acesso às fontes históricas!
respondeu em 11/07/2012 09:22
Olá Guilherme. Cada país tem a sua história. A URSS caiu não por ser um regime comunista, mas sim por ser uma potência militarista e expansionista. Em 1990 foi a derrocada soviética, hoje estamos a assistir à derrocada imperialista norte-americana. Por ironia ambas começaram no Afeganistão. Outras potências surgirão, tenhamos esperança que mais justas, menos militarizadas. Quanto à ditadura no Brasil, esse grandioso país está em vias de se tornar a segunda super-potência económica. E tirar as devidas ilações de um passado recente. Hoje o Brasil já faz ouvir a sua voz nas decisões mundiais, oxalá continue no bom caminho.
respondeu em 13/07/2012 13:12
Jorge, existe uma grande diferença entre a URSS e o Império americano, a duração, a URSS durou 70 anos e os EUA existem desde 1776, portanto mais de 300 anos. O Comunismo é um Utopismo. Os EUA estão em franca decadência, porém durou muito mais que a URSS e seus Satélites do Leste Europeu.É um problema de doutrina sim, o respeito as liberdades individuais são fundamentais.