Governo Dilma avança na economia e no social, mas base de sustentação no congresso é vacilante.  O presidente da Câmara, Marco Maia, engessou CPI da Privataria e a CPI do Cachoeira não avança
A base de sustentação do governo no congresso nacional tem sido vacilante desde que o livro de Amaury Ribeiro Jr, "Privataria Tucana", foi lançado em dezembro trazendo documentos fartos que comprovariam a maior roubalheira da história do Brasil.
Algumas lideranças, isoladamente, pediram a criação de uma CPI para investigar o que pode ter se configurado em um crime de lesa pátria de proporções inimagináveis, alcançando ramos do crime organizado e políticos para tomar o patrimônio público brasileiro em interesses particulares, em detrimento do bem estar do povo brasileiro.

Ali havia a fagulha para explodir setores conservadores da política brasileira, execrar pessoas que desfilam nos noticiários e pautas jornalísticas como figurões da Brasil moderno, com currículo de prestadores de "ótimos serviços a nação".

A base do governo falhou, retirou o ímpeto político para avançar nas investigações e engavetou uma CPI, com assinaturas de parlamentares suficientes para fazê-la funcionar, na mesa do presidente da Câmara, o petista Marco Maia.

Agora com o que pode ser considerado um desdobramento do envolvimento de agentes públicos com organizações criminosas, como o escândalo envolvendo o contraventor e um dos chefes da máfia dos caça níqueis, Carlinhos Cachoeira, com o senador da oposição, ex-baluarte da ética, Demóstenes Torres...
 
 
Leia MAIS
Leia também:
Blogs com notícias similares:

Atualizado 23 horas atrás.

Por Arthurius em Opinião desde

http://476.dihitt.com Visão Panorâmica.

Crônicas e comentários sobre política e atualidades.

Ranking 49º
Sua opinião: