Conversas picantes no sexo: elas gostam?

                  Conversas picantes no sexo: elas gostam?

Danielle Gaspar

Kátia* é administradora de empresas e tem um perfil bem agitado. Dona de seu próprio negócio, cuida das contas, executa o trabalho e ainda vai atrás de clientes para manter seu ganha-pão. Uma rotina incessante que se complementa com os compromissos das filhas e as tarefas domésticas. Uma mulher comum, simples e batalhadora como muitas, mas há um porém: considera-se extremamente feliz no sexo. "Na hora da transa, sou toda entregue. Gosto de soltar o verbo. Homem não xinga o juiz no futebol? Faço o mesmo, mas meu campo é outro”, comenta.

Não se trata de uma exceção à regra: o fato é que Kátia conseguiu se libertar do preconceito e das inúmeras encanações que transitam no mundo feminino. Não há problema algum em falar baixarias na hora do sexo; aliás, esta entrega pode se tornar um fetiche bem excitante para o casal. É certo que, no momento do furor, o homem tenda a se revelar mais, soltando o verbo, mas isto não quer dizer que elas devam ficar excluídas de tais vontades.

Resistência
Sem sombra de dúvidas, as mulheres são mais reprimidas sexualmente. Segundo o sexólogo e terapeuta de casais Dr. Amaury Mendes Junior (RJ), uma das maiores dificuldades da entrega é porque todo este movimento está contaminado de idéias sujas e vulgares. “O preconceito e o julgamento trava a mulher de se redescobrir na transa”, explica. Assim acontecia com a advogada Cintia*. Depois de uma crise de meses com o marido que quase culminou em divórcio, a terapia de casal ajudou a superar as dificuldades na cama.

Bem neurótica, como ela se definia, Cintia ficava pensando o que os outros poderiam pensar se fizesse isso ou aquilo durante o sexo. “Hoje, me sinto livre e procuro estar na mesma sintonia que ele. Provoco pra valer, falo tudo o que vem na minha cabeça e confesso, acho muito excitante”, confessa.

O ato sexual é, por si só, algo instintivo. Se por um lado, o homem costuma ser mais dominador, por outro, a mulher quer sentir-se protegida e abrigada na hora da entrega. Às vezes, as barreiras são tão altas – e até intransponíveis – que muitas se sentem desrespeitadas quando palavras de baixo calão surgem no calor do amasso. “A entrega é interpretada de forma errada. Cheia de pudores, mediadas pelo certo e errado, o bem e o mal”, comenta Dr. Amaury.


Ela x Ele
Do ponto de vista psicológico, o homem tem a necessidade de provar que é macho. O orgulho é o pênis que, muitas vezes, ganha nomes ou apelidos que simbolizam poder, potência. “Costumo dizer que ao redor do pênis existe um homem”, comenta Dr. Amaury. Enquanto eles são incentivados desde pequenos a lidar com mais naturalidade no quesito sexualidade, as meninas são simbolicamente desencorajadas. E todas essas questões vêm à tona na transa. “Tive que me livrar dos meus medos do passado”, comenta a dona de casa Alessandra *. E ela superou os medos mesmo: sem nenhum pudor, Alessandra citou inúmeros exemplos de como se diverte com expressões picantes no sexo. Tanto que a gente não pode publicá-las nesse horário...

Outra pedra no sapato e, por que não dizer, na cama, é a questão social. Não é a toa que muitas mulheres têm a fantasia de estar amarradas na hora do sexo, já que seria impossível fugir ao prazer. “É preciso lembrar que a relação com prazer é uma conquista relativamente recente da mulher, que veio em função da descoberta da pílula”, relembra o terapeuta. 

Sinal verde
O orgasmo não é uma obrigação nem precisa marcar presença em toda penetração. Sexo é prazer e prazer é entrega. Segundo o especialista, é preciso permitir-se, sentir-se autorizada, ter a sua carta de alforria do passado e do mundo ao seu redor. “Quando isso acontece, de ambas as partes, o casal estará em plena sintonia”, afirma. Portanto, que tal se arriscar? Kátia dá sua receita: “Geralmente, é ele que dá o pontapé inicial. Não me exponho. Depois deixo rolar, entro no clima e rebato as palavras na mesma altura”, confessa.

No sexo, tudo pode ser 100% saudável quando acordado a dois. Anular-se jamais. Isso não quer dizer, obviamente, que o ‘não’ é carta fora do baralho. Cada um tem o seu próprio limite. Porém, quando isto se torna um ponto de conflito entre o casal ou quando um dos lados só consegue se excitar desta maneira, está na hora de uma boa conversa, franca e honesta.

* Os nomes foram trocados a pedido dos entrevistados

Fonte:http://delas.ig.com.br/inspiracao/noticias/2009/03/20/conversas

Por favor, aguarde enquanto preparamos sugestões de leitura para você...

Blogs com notícias similares:

Atualizado 11 horas atrás.

Por Vitrine em Notícias locais desde 05/10/2011

http://vitrinesantaluzia.dihitt.com Vitrine santa Luzia

Noticias e informações sobre a cidade de santa Luzia MG para todo o brasil e todo o Mundo através da internet

Ranking 6973º

Atualizado 3 horas atrás.

Por Breno em Blogosfera desde 13/10/2012

http://agregamaislinks.dihitt.com Agrega Mais Links

Agregador de links e notícias,envie suas notícias por email ou feed e elas serão publicadas automaticamente sem necessiadade de cadastros mas, são proibidas notícias de conteúdo ofensivo,como racismo,pedofilia,pornografia,etc. Venha fazer parte do nosso clube de notícias e adicione a sua também!

Ranking 2707º

Por Dihitt em Diversos desde

http://194.dihitt.com Alagoas 24 horas

Sua opinião:
comentou em 23/03/2009 11:37
Acho que o termômetro pra isso é a cumplicidade/intimadade do casal. Se eles estiverem em sintonia, vale qualquer tipo de conversa.

Abraço
respondeu em 23/03/2009 12:07
Márcio,

Não tenho dpuvida quanto a isso, mas mesmo em algumas situações vale a pena arriscar!!

Abraço,

Nuzzi.
comentou em 23/03/2009 11:38
nuzinho - baixarias sao o tempero de um bom treps...nunca me relacionei com mulheres que nao curtissem ouvir baixarias (imagine eu dizendo baixarias excitado???) Vem aquelas historias das fantasias...começam as perguntas, sexo a tres, a quatro, a cinco, o Kid bengala, Cleo pires, a vizinha gostosa do 401, o garotao sarado da academia...Tambem, nuzzi, gozou e deu...ai a gente ve a limitaçao de cada um...As fantasias e os palavroes tem seu brilho na hora da bimbada mas depois vem a realidade e a ideia de convidar um estivador para um sexo a tres é esquecida rapidamente. abraços.
respondeu em 23/03/2009 12:09
Andre,

Seus comentários estavão fazendo falta ao dihitt,mes você tem toda a razão, desde os primordios temos certas baixarias, heheheh E sempre derão certo!!

Abraço,

Nuzzi.
respondeu em 23/03/2009 17:20
André, estava fazendo falta por aqui... se vc sóbrio e escrevendo comentários de alto nível dá lá seus pitacos, imagino em pleno coito o que deve dizer... Faria até Calígula ficar vermelho!!!!
Abração
Mauricio
respondeu em 24/03/2009 10:47
Concordo amigo Marucio.

E peço desculpas por não ter comparecido ao post sobre seu problema clínico, espero que estajas bem!!

Abraço.
Quanto maior a intimidade do casal mais facilmente eles soltaram suas fantasias e conheceram os limites que podem ousar, seja com gestos, palavras ou atos.

O que vale é a química e a aceitação tácita de tudo que pode rolar.

Abraços do


Antonio Carlos
respondeu em 23/03/2009 12:22
Antonio,

Em tudo nas nossas vidas , temos que ter o conhecimento.Principalmente quando temos que viver com uma outra pessoas, só assim para um realcionamente dar certo!!

Abraço,

Nuzzi.

comentou em 23/03/2009 12:33
Quem não gosta de uma boa "conversa" na hora H, e digo mais até antes mesmo a sacanagem é bem vinda! putz!!! quem nunca transou com uma mina que adora falar uns lances de baixo nivel e tu fica mais doido ainda...

A intimidade leva a isso, não ficamos com medo de nossos atos perante a nossa companheira. Dai tudo pode acontecer de forma tranquila e prazerosa é claro na medida que cada um pode.

hahahha o mais engraçado é você contar tudo aquilo que ela disse... essa experiências são boas para o relacionamento.

abraços
respondeu em 23/03/2009 16:34
Concordo com você, é muito bom, hehehehehe

Abraço,

Nuzzi.
comentou em 23/03/2009 17:18
Como dizia o Cazuza, são os "segredos de liquidificador" que podem apimentar uma relação. Agora, não adianta mentir muito senão a coisa descamba. Imagina ums coroa de 70 anos estar com um garotão de 20 e de repente ele dizer pra ela que nunca teve mulher mais gostosa, que ela é o tesão da vida dele, etc., etc.
É coisa de loverboy barato... Não dá certo.
Falar umas besteiras é ótimo. Faz bem pra todo mundo contanto que sejam respeitados os limites e mantenha-se uma certa veromilhança. Não adianta a moça dizer para um cara que tem prótese peniana que ele tem o "pintão mais durão e grossão do mundo" que santo nenhum acredita. Vai ser motivo de risada...
Abraço,
Mauricio
respondeu em 23/03/2009 17:35
Só vou fazer um adendo ao seu belo comentário.

"Não adianta a moça dizer para um cara que tem prótese peniana que ele tem o "pintão mais durão e grossão do mundo" que santo nenhum acredita", além de ser motivo de risada, acho que até a prótese vai BROCHAR!!!! hahahahahaha

abraços
respondeu em 24/03/2009 10:48
Mauricio,

Fico feliz por seu comentário, e mais uma vez peço desculpas por não ter partilhado do post se]obre seu problema.Desejo que melhores a cada dia meu amigo!

Abraço,

Nuzzi.
comentou em 23/03/2009 17:55
Olá, Nuzzi!

Eu acho que as mulheres gostam mais de conversas picantes do que os próprios homens. É só alguém ter a oportunidade de escutar as conversas de mulheres quando estão bem a vontade. Parece que elas sentem prazer em ao menos falar sobre o assunto. Eu falo isso, em termos de média, evidentemente, nem todas mulheres são assim.

Abraços

Francisco Castro
respondeu em 24/03/2009 10:50
Francisco,

Nós também gostamos e muitoooo, hehehehe

Abraço,

Nuzzi.
comentou em 23/03/2009 18:07
Me lembrei da história do cara que foi transar com a garota que era fanha...
No curso das preliminares ela disse "osto de a-anhar. áti em mim?"
O cara respondeu: "gosta de apanhar?" - "OK, vou te dar umas palmadinhas. Tapinha de amor não doi"
E lá foi o cara dando uns tapinhas no traseiro da moça que diz: "Áti máis ó-ti" - "Áti máis ó-ti".
O cara meio sem jeito pensou: "Mais forte é?" Tá certo...
E lá vai tapa no traseiro.
Grita ela de novo: "Áti máis ó-ti" - "Áti máis ó-ti".
E vem o cara dando já umas palmadas sem dó.
Ela de novo: "Áti máis ó-ti" - "Áti máis ó-ti".
Ele não aguentando mais cessa aquela saraivada de tapas pergunta pra ela. "Êpa, tudo tem limite" - "Tá me doendo a mão"...
"Dá ú pá-pél", diz a moça que rapidamente escreve algo.
Quando o cara o lê está escrito "Idiota: bate, mas fode".
Sorry aos mais educados e delicadosa), mas lembrei da piada e tinha que externá-la.
Abraços,
Mauricio
maurício,

Muito legal !!! kkkkkkkkkkkk

Vc é o máximo!

Abração,

Bia
cARA AGORA EU VÍ PQ.VC É TÃO QUERIDO AQUI, TÔ CHORANDO DE RIR, COM TUA PIADA. bOM TE CONHECER.

qUANTO AO SEU POST NUZZI, EU ACHO QUE VALE TUDO NESSAS HORAS, TUDO MESSMO.

BJUS
PATCHULLA
respondeu em 24/03/2009 19:14
A satisfação em conhecê-la é minha! Fico feliz em tê-la em meu rol de amigos!
Um beijo,
Mauricio
respondeu em 24/03/2009 10:51
Sem comentários, heheheheh

Você é um ezímio conhecedor da arte, heheheh

Abraço,

Nuzzi.
respondeu em 24/03/2009 19:16
Que arte, Nuzzinho??? De contar piadas???
Vc nem imagina o que vai acontecer quando eu fizer uma postagem explicando o "candelabro italiano" e a "gangorra siberiana"...
Abraços,
Mauricio
Tudo é válido quando o casal curte!

Bianabac
comentou em 24/03/2009 01:23
"E eles se tornarão uma só carne"! se são um só, na fusão miraculosa da libido, da pele, dos fuidos; Como pode haver constrangimneto?
Não é o Milton Nascimento quem diz que "toda forma de amor vale a pena"?
Parabéns pela abordagem criteriosa do assunto!
Te deixo um abraço!
Deste teu Confrade: Max Costa
respondeu em 24/03/2009 10:52
Muito obrigado Max!!
comentou em 03/04/2009 05:31
Tem as que gostam e as que odeiam

Varia.

Abraço.